"Direito à resposta" - por Eduardo A.Flórido

DE UM POETA, QUE MUITO ADMIRO "VINICIUS DE MORAIS", E COM ALGUMAS BASTANTES MODIFICAÇÕES CONVENIENTES E A PRECEITO, A DOIS DOS MEUS MAIORES AMIGOS MANUEL FERNANDO CARONA "EL KIKO" E RUI GONÇALVES (MEU SOBRINHO, RUCA), EU DE TODO O CORAÇÃO DEDICO, O TROCO DA MALHAÇÃO A QUE FUI SUJEITO... CRÓNICA DE UMA AUSÊNCIA ANUNCIADA AMIGOS: Tenho amigos que não saberão, certamente, o quanto nutro por eles, este puro sentimento, de ampla liberdade, que se convencionou chamar de amizade. Não percebem, infelizmente, o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento muito mais nobre que o Amor, pois permite que o objecto d'ela se divida em outros afectos, enquanto o dito Amor tem intrínseco o ciúme, numa possessividade que não admite a rivalidade. Naturalmente, eu poderia suportar , embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores (e não seriam poucos!!!), mas evidentemente, enlouqueceria se ficasse sem todos os meus amigos (não em quantidade e sim em qualidade), até mesmo aqueles que não percebem o quanto são e o quanto da minha "VIDA" depende de suas existências...Alguns deles nunca os procurei, basta-me saber da sua vivência. E esta mera condição encorajar-me-á a seguir em frente, nesta labuta diária, até ao final da estrada... Mas porque não os procuro com a assiduidade que talvez devesse, não lhes posso dizer o quanto gosto deles, possivelmente nem iriam acreditar. Alguns destes, lerão esta crónica e jamais saberão que estão incluídos, nesta sagrada relação restrita de Amizade. Mas será sempre delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não o declare nem os procure. Às vezes quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como me são indispensáveis ao meu próprio equilíbrio vital, porque eles fazem parte do meu mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pelo "VIVER".Se um deles morrer, ficarei torto, para um qualquer lado. Se todos falecessem, eu desabaria eternamente! Por isso é que, sem que eles notem, eu oro e orarei pela sua própria continuidade terrena. E envergonho-me, porque essa minha prece é, em síntese, também dirigida ao meu próprio bem-estar, e será possivelmente fruto do meu próprio egoísmo. Inúmeras vezes, mergulho de modo desamparado sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me uma ou outra lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando aquele infinito prazer...Se algo me consome e me envelhece, é que a roda furiosa da vida nunca me permite, ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam, ou talvez mesmo nunca venham a saber que estão nessa distinta qualidade de confiança!!!MAS NINGUÉM FAZ AMIGOS, RECONHECEMO-LOS!!! Assim sendo, Ruca e Kiko, ou Kiko e Ruca, pelos adjectivos de "casmurro", "chato", "picuinhas" e "rapaz", obrigado meus queridos amigos, mas não me picaram o suficiente, para que eu não possa dizer: ETERNAMENTE GRATO, POR FAZEREM O FAVOR DE SER MEUS AMIGOS, DESDE O TEMPO EM QUE O TEMPO, ERA SÓ ISSO E MAIS NADA...
Um abração...
*EduardoAFlórido.
2008/07/11
Apesar de tudo, este é um blog democrático e como tal concedo ao meu tio Eduardo Flórido, este direito à resposta... a contragosto mas... enfim.
;-))
Um abraço Tio Eduardo, extensivo ao outro visado e amigo Fernando Carona.
Ruca
PS: É bom ter amigos assim!
***

1 comentário:

Fernando Marta Neves disse...

Flórido meu caro amigo e colega.
Foi com enorme prazer, que ao fim de tantos anos, consultando mais detalhadamente este “blog” que o Ruca, muito bem, criou e colocou à nossa disposição, dando-nos assim a possibilidade de relembrar e contactar aqueles que fizeram em determinada altura parte das nossas vidas e, pese embora, um pouco escondidos na nossa memória, nunca foram esquecidos, e por quem sentimos um grande carinho, verifico que tu Flórido continuas igual a ti mesmo, com as ideias no sítio, sensível e apaixonado.
É natural que te lembres de mim pois fomos colegas no Curso Geral do Comércio e SPI, juntamente com a Alicinha, Campanhã, Emília, Elga, Bessa, Milú, Odília, Aristides, Áurea, Francisca?...aquele colega e amigo do Alto Catumbela cujo nome não há maneira de recordar “Toni?”...são de momento os mais presentes nesta memória que parece já querer pregar-me partidas...e, igualmente importantes, aqueles que de momento não recordo o nome...
(quando comecei a escrever só me lembrava de quatro ou cinco, eu incluído)... o raio da memória!
Faltam-me daquele tempo, fotos da nossa turma.
Lembro-me muitas vezes de todos nas aulas do Dr. Largo, nas aulas de inglês com a Dr.ª Maria José a colocar de castigo os “matulões”, de livro na mão no fundo da sala, de ti nestas últimas..., das nossas correrias e corridas de bicicletas e destas dentro da sala de aulas, a constante competição Flórido/Campanhã, os empurrões na bicicleta da Alicinha....o Bessa (saudoso amigo) a subir a pulso as escadas em caracol nas traseiras da escola....enfim, tantas, tantas coisas, malandrices e tropelias próprias da nossa idade e temperamentos...
Vou ver se mando a preguiça para trás das costas e apareço aqui mais vezes.
Bem, por hoje nada mais, envio-te um grande abraço ficando a aguardar notícias tuas.
Fernando Marta Neves, 11/07/08
Preparavam-me para passar esta mensagem quando vejo a tua "resposta" por sinal muito bem dada. Estou plenamente de acordo e comungo tudo o que dizes acerca da amizade. Mas (agora as más notícias), quanto aos adjectivos “Casmurro” e “picuinhas”…sem ofensa…não terão o Carona (um abraço para ele) e o Ruca uma "pontinha" de razão? – Fernando Marta 11/07/08.