Notícias dos Cubalenses e amigos do Cubal - Luís Monteiro

Estive no Cubal no 2ª ciclo liceal e o meu pai era o Inspector Marques Monteiro de Via e Obras do CFB.
Forte abraço
Luís Monteiro
 30/12 às 16:27

****
Caro Luís,
Bem-vindo ao nosso Cubal virtual.
Aparece sempre e se possível com testemunhos para enriquecer este nosso cantinho.
Abraço
Ruca

Notícias dos Cubalenses e amigos do Cubal - Magda Barbêdo Pinto (filha do "Mandinho")

Olá, "Ruca"

Feliz Natal para si e sua família.

Procurava algo sobre o meu Idolo (o meu Pai) e acabei por descobrir o seu blog (aqui neste link). E graças a si, certamente quando o meu paizinho tiver conhecimento vai adorar rever certas fotos daqui.Um muito obrigado

Magda Barbêdo Pinto
(filha do "Mandinho")

Notícias dos Cubalenses e amigos do Cubal - Rui Machado Correia

Nasci no Cubal em 1959 e vivi nessa linda cidade ate 1973, deixei muitos amigos de infância que nunca mais os vi.
Se alguém se lembrar de mim contacte-me pelo meu email, sou o Rui Machado Correia e estudei no colégio da dona Cecília .Queria tb deixar aqui os meus votos de feliz natal e um bom ano de 2011 para todos os cubalenses
p.s.:se alguém souber o contacto do Arzemiro Prazeres e do seu irmão Gustavo (vává),agradecia essa informação.

Christmas Lights

Comentários da Lourdes Morais

Amigo
Saúde para todos são os meus votos mais sinceros. 
Ruca, eu não me quero tornar aborrecida e maçar todos com as minhas palavras. Mas tu sabes como eu sou. Quando a saudade me toca mais lá no fundo, não resisto e então escrevo, para poder desabafar toda a saudade do nosso Cubal e de todos os nossos amigos Cubalenses. Como é meu hábito não há um dia que eu não venha ao Cubal. Fico triste quando não há nada novo e ao mesmo tempo fico apreensiva, a pensar que os nossos amigos não estão com vontade de nos brindar com as suas notícias. Mas olha Ruca, adorei o que o teu tio Eduardo Flórido escreveu. Li e voltei a ler sempre com o mesmo entusiasmo. Isto é que é escrever. Ele com este dom para escrever, devia fazê-lo mais vezes, para nosso encanto. Nem tenho palavras para expressar o meu agradecimento por tudo o que escreveu. Não nego que as lágrimas correram cara abaixo. Mas isto também não é novidade em mim, pois tenho sempre a lágrima no canto do olho e quando leio coisas tão bonitas e que nos tocam tanto, mais facilmente choro. Olha Ruca, também adorei as notícias do nosso querido CANAIS, que há tantos anos não sei nada dele. Pena tenho de não ter o email dele, para lhe poder escrever. Vou tomar a liberdade de responder em nome da minha Fernanda. Sim, Canais a minha irmã Fernanda, que por sinal hoje faz anos, ainda está casada com o Vidazinha, que foi teu colega de futebol. Ela mora perto de Vila Real e eu moro perto de Monção. Que tempos aqueles em que éramos tão felizes naquela terra maravilhosa. Canais, espero que me escrevas, pois o meu email, está no Livro de Visitas, para podermos conversar mais um pouco.
Ruca, mais uma vez muito abrigada por nos dares estas alegrias. Nem imaginas o quanto estou feliz por saber do Canais. Só peço aos Cubalenses que continuem a colaborar e dar notícias. Também gostei das
fotos que a Helena Carvalho mandou. Publica, por favor.
Beijos para a Xana e teus pais. Abraço do Morais.
Para ti um grande, grande beijo da amiga
Lourdes

Momento de reflexão - 2010, por Eduardo Flórido

"Nada me é importante se sou julgado, por incultos e parasitas, corruptos de uma sociedade Auto Proclamada Mestra, se a realidade negativa for mais que evidente, de convicção sublimemente duvidosa, onde os autores façudos da pseudo_glória, são toda uma componente organizada, exemplificada no desfundamentado de uma vivência plenamente sã, com atitudes paupérrimamente descabidas, duvidosas, em relação à vivência exemplar de um qualquer honesto cidadão. Buscam (eles, os miseráveis) simplesmente o seu óptimo estar (psíquico e monetário), trilhando de uma forma irreparável, perpétua e continua os caminhos de um povo, bestializado, martirizado pela fome e patenteado em exemplos flagrantes, num aparecimento sem remissão de uma miserabilidade total, esperada e onde o caos se começa a instalar inquietante e permanentemente. Até quando será o suporte?..."
Momento de reflexão - 2010.
*Eduardo@ugusto.
(Reservados Direitos de Autor)

Tradição de Natal, família de Isa Valadas (Greatbatch)

Todos os Natais tenho por tradição convidar alguém que não tem ninguém para acarinhar ou ser acariciado;Faço-o mesmo que o(a) tenha conhecido a poucas horas ou dias.Faço-o, porque sei  que a quadra de Natal e sinonimo de amor,família e amigos!Ao recebe-los no seio da família,divido o amor que nos rodeia,partilho momentos preciosos com um ser que há muito perdeu ou ate nunca conheceu o sentido de família:Ao fazê-lo,sei que ajudo um único ser humano carente, que, por nunca lhe terem dado carinho se tornou seco:Ao fazê-lo,faço um amigo(a),quando o faço, dou um exemplo aos meus filhos que aprendem a dar a mão aos que mais necessitam, para que façam 'diferenca' neste mundo material, de concorrência, de amizades virtuais...Todos os anos alguém diferente se senta connosco a mesa,como mais um membro da família que connosco participa nos jogos e brincadeiras depois da ceia servida.Ao olhar para o rosto desse ser frágil e de olhar triste, vejo um brilho de alegria,um agradecimento em silencio e um sorriso que há muito não sorria...E tratado com carinho, atenções e muito mimo! Sei que não posso mudar o mundo, nem ter a mesa todos aqueles que precisam,mas ao receber pelo menos um amigo(a) que no mundo esta sozinho,sei que mudei uma vida,fiz num dia um(a) amigo(a) e dei exemplo aos meus filhos de que o amor não se vende, não se compra, não se cobra,o amor transmite-se com um gesto, até num sorriso. O Natal esta a porta e quando começamos a decorar a casa, os meus filhos pergunta: Mami, quem vem cear connosco, quem é que não tem família e precisa de carinho?
Eu sorrio, 'orgulhosa' pois a lição está aprendida e quando vou dormir, durmo um sono tranquilo e sinto-me bem comigo! Por isso eu sempre convido um ser sozinho e o trato com carinho!!!!

Ponto de encontro - Dinis Chaves - Luísa Chaves

8 de Dezembro de 2010 às 3:46
Assunto: contacto de um primo
Caros amigos,
Hoje confirmei, atraves do vosso blog e ao mostrar aos meus pais uma foto do eduardo dinis chaves, que ele é meu primo. aliás, foi uma emoção enorme porque, ao fim de 35 anos, a minha mae diz que ele tem a cara da prima Idalina - mãe do eduardo.
se fosse possível, gostava muito de ter o contacto dele.

por favor, digam-lhe que sou a filha mais velha do luis e da rosita da baía-farta.
o meu contacto, por esta via: luisa.chaves@gmail.com
muito obrigada
Luisa Chaves

*************

Olá Luisa,
Vou articular o V. encontro. Vai à tua cx de email.
Abraços
Ruca

E porque o Natal vem aí.... (por Isabela Valadas)

Abri a porta do passado e entrei numa casa repleta de amor, uma casa cheia de gente conversando, rindo e crianças brincando; Na cozinha vi a minha avó a dar instruções ao cozinheiro para o que fazer para jantar. Na varanda a mesa grande com toalha posta, os bancos e cadeiras à volta à espera de ser preparada para a refeição. O som da buzina insistente de um carro que pára no quintal e todos nós corremos alegres e excitados para receber os que acabam de chegar.Todos falam ao mesmo tempo, numa confusão de beijos e abraços as malas se vão tirando e são levadas para os quartos. Enquanto os adultos ficam na sala, as mães e avó vão para a cozinha fazer filhoses e o avó junta-se a nós e brincamos de 'casinhas'; A Lisinha e a mãe, o nosso avô e o pai e os restantes são os filhos. Como um bom pai, ele vai arranjar comida para os filhos e dirige-se à cozinha e 'rouba' filhoses com cuidado para que a avó não se aperceba, mas é sempre apanhado e corrido da cozinha com comentário zangado: ÉS PIOR QUE AS CRIANÇAS, SAI DAQUI QUE NÓS ESTAMOS A TRABALHAR E AS FILHOSES SÃO PARA A CEIA DE NATAL!!! Ele volta para a varanda com ar sorridente e as mãos cheias de filhoses que põe na mesa e a mãe, (Lisinha) pai e filhos sentam-se e comem deliciados. As horas passam,a tarde cai e nós continuamos a brincar com o avô... À noite, depois do duche tomado, somos chamados para o jantar...Os miúdos sentam-se todos de um lado, os adultos do outro e o avô e a avó nas cabeceiras da mesa. A atmosfera é alegre e o som de gargalhadas e conversa fiada enchem o ar... Depois de comer, o cheirinho do café que é servido e os adultos envolvem-se em conversas de códigos e línguas que nós miúdos não entendemos...Referiam-se às prendas que compraram para cada um de nós que o Pai Natal traria em dois dias... Os dias passaram, e a noite da consoada chegou.. O ar estava eléctrico de excitação, a mesa era posta, as luzes na árvore completavam o quadro lindo da família reunida a mesa. O som da harmónica e viola entoam as notas de NOITE DE PAZ e um calor invade os nossos corações infantis. Depois, a Olga (Minha mãe), cantava É NATAL, a voz melodiosa enche-nos os olhos d'agua... As horas passam,e nós, cansados vamos para a cama, mas custa-nos dormir pois amanhã é Natal... Quando acordamos de manhã, bem cedinho, os adultos ainda deitados, vamos a correr para o 'sapatinho' e após o som de papel a ser rasgado ouve-se o som de todos nós excitados,contentes com os presentes que recebemos... Brincamos uns com os outros alegremente! E, assim se passaram os anos,um atrás do outro com Natais MARAVILHOSOS! MAS, com os anos, também alguns se foram e o quadro de Natais felizes são só parte das minhas memorias; Jamais voltaremos a juntar toda a família, mas uma certeza ficou... A CERTEZA de que esses Natais deixaram a marca do Amor e do calor humano que transmitimos aos novos membros da família e, assim, o quadro do Natal perfeito perdurará em historias que contamos dos Natais que passamos quando éramos crianças...E O AMOR PASSARÁ DE GERAÇÃO PARA GERAÇÃO!!!! ENCOSTO A PORTA...


Isabela Valadas