"Uma simples comunicação", por Jaime Marques de Almeida.

Decorreu na passado dia 5 de outubro, em Fornos de Algodres, o 24º Encontro dos Estudantes do Cubal. Os organizadores convidaram o cubalense Jaime Marques de Almeida, que começou a sua carreira profissional no Emissor Regional do Cubal, para proferir a habitual “lição de sapiência”. Por considerar muito pomposa a designação, o orador, cujo texto agora publicamos, preferiu chamar-lhe “uma simples comunicação”.

SEM RAIVA
Há 38 anos, nesta época do ano, muitos de nós começavam a desembarcar em Lisboa. Chegámos exaustos, tantas foram as humilhações passadas e tantos os perigos vencidos. Mas chegámos, chegámos de dentes cerrados – tamanha era a raiva.
Quase quatro décadas depois, aqui estamos, mais uma vez, a confraternizar. A confraternizar, sem raiva, como se alguns de nós não tivessem viajado em porões de barcos e aviões mais adequados ao transporte de gado (e neste aspeto em particular sei bem do que falo).
Foi talvez a maior ponte aérea da história. Mais de 900 voos de diferentes companhias aéreas despejaram em Lisboa quase 200 mil pessoas. Adoentadas, esfomeadas, esfarrapadas, mas pessoas!
Não foi fácil montar a ponte aérea, quer no plano político, quer no plano logístico. Amaciados pelo tempo, que tem esse condão, reagimos hoje com grande complacência às revelações que vão sendo feitas pelas personalidades que protagonizaram os acontecimentos da época, por um lado, e resultantes da abertura dos arquivos, por outro.
António Gonçalves Ribeiro, tenente-coronel na altura, que foi com um administrador da TAP reunir com o Presidente da República, General Costa Gomes, a quem o administrador da TAP disse que não era possível aumentar a capacidade de transporte, ouviu no final: «Pronto, foi feito tudo aquilo que podia ser feito, é impossível fazer mais». Mas alguém acrescentou: «Não há aviões. Eles que comeram a carne que roam os ossos».
Houve aviões. Houve aviões porque houve um homem que não desistiu. A ponte aérea funcionou graças à perseverança de António Gonçalves Ribeiro, a quem todos nós devemos um gesto de gratidão pelo que fez. Se muitos houvesse como ele, Portugal – reconheceu o militar em entrevista ao DN há três anos – não sairia com as calças «muito próximo dos calcanhares», mas talvez pelos joelhos.
Todos sabemos como evoluiu a situação em Angola e as consequências que teve. Não vale a pena abrir feridas já cicatrizadas. Contudo, é irónico saber-se hoje, como revela Alexandra Marques no seu livro Segredos da Descolonização de Angola, que o almirante Rosa Coutinho se tenha referido ao Acordo do Alvor como tendo sido «uma caldeirada à portuguesa”; que Mário Soares tenha visto o encontro da Penina como um «Jogo viciado»; e que para Manuel Monge, militar, a descolonização foi «aquilo que o MFA queria».
No livro Os Retornados Mudaram Portugal, Fernando Dacosta, que foi nosso convidado num dos anteriores encontros, e que tem abordado esta temática de forma séria e profunda, lembra-nos que havia quem defendesse o abandono dos brancos a fim de serem «atirados ao mar» pelos negros. Na redação do semanário O Jornal,  um dos responsáveis impediu Fernando Dacosta de escrever sobre os retornados com o argumento de «serem uns colonialistas reacionários que deviam expiar os seus crimes».
Muitos de nós têm ousado relatar em forma de livro a experiência do regresso, ou da fuga (como quiserem chamar-lhe). Ainda bem que o fazem. Folheei há dias o livro Angola, O horizonte perdido, de António Coimbra, onde o autor diz que a cada esquina era apelidado de explorador e entre os insultos mais suaves ouvia estes: «retornados de merda, voltem para junto dos pretos que andaram a roubar» ou ainda «vão-se embora, gatunos, não venham para aqui roubar o pão aos nossos filhos».
Há leituras menos dramáticas do que se passou. Renato Pereira, um amigo meu, ex-companheiro no Rádio Clube do Lobito e atualmente um empresário de sucesso no ramo da hotelaria, em Portimão, foi ouvido pela autora do livro S.O.S ANGOLA, os dias da ponte aérea, Rita Garcia, e recorda sem mágoa as peripécias do regresso. Diz Renato Pereira que «não foi tau mau como estava à espera» e para ele «o governo de então fez um trabalho espantoso para integrar tanta gente tão depressa». Usando como termo de comparação os portugueses que nunca saíram do país, Renato Pereira considerou-se um privilegiado, com o seguinte argumento: «Se eu pedisse um empréstimo, davam-no. Aos de cá não». Conclui o meu ex-colega Renato Pereira: «as pessoas tinham toda a razão em olhar-nos de lado, nós éramos os intrusos que arranjávamos empregos enquanto eles passavam dificuldades para trabalhar».
Deixo aqui estes dois pontos de vista, ambos respeitáveis, com a firme convicção de que no presente já não existem os de cá e os de lá. Hoje estamos todos do mesmo lado, somos todos de cá. Citando de novo Fernando Dacosta, «Se ontem o país viu dissolver o exterior de si (o império), hoje vê dissolver o interior de si – a identidade». Contem de novo connosco, acrescento eu, para o país sair do atoleiro.
Há, no entanto, uma mensagem que não quero deixar passar em claro. Embora aparentemente não venha a propósito, recordo-vos que o jornal brasileiro O Globo retratou-se há dias, admitindo ter errado ao apoiar o golpe militar de 1 de abril de 1964. Os atuais responsáveis do jornal são de opinião que o apoio foi um erro. E 49 anos depois assumiram-no. Por outro lado, no Chile, 40 anos depois, os representantes do sistema judicial vieram a público, há poucos dias também, assumir «a sua responsabilidade histórica» na instauração do regime de Pinochet. Consideraram chegado «o momento de pedir perdão às vítimas, aos seus familiares e à sociedade chilena».
Dito isto, há uma pergunta que deixo no ar: e, por cá, tantos anos passados, de todos os que cozinharam a “caldeirada à portuguesa”, quem nos vai surpreender, no mínimo, com uma palavra que tenha a dignidade, essa sim, de ser exemplar?
Enquanto esperamos – e a espera vai ser longa, acreditem -, reparem como o António Coimbra se refere ao Rio Cubal no livro Angola, O horizonte perdido: «…o rapaz gostava particularmente da Hanha, um lugar aprazível e de grande beleza situado nas margens do rio Cubal, onde extensos bananais e frondosas palmeiras sugeriam o paraíso».
Termino, desejando, com toda a sinceridade, que sejam felizes os que têm o privilégio de usufruir do paraíso onde tantos de nós cresceram e viveram. E que todos nós sejamos capazes de transformar o inferno em que vivemos no paraíso que merecemos.
No próximo ano cá estaremos!
Boa Noite.

Cubalense procura cubalense (Rui Terra - Jaime Salinas)

Olá, Cubalenses!
Gostaria de saber, se me poderem informar,- dos contactos do Rui Terra ( Rui Carlos Augusto Terra), de quem sou amigo, e ex colega no Cubal, e em Benguela,- partilhávamos o mesmo quarto com o António Flórido). Muito obrigado !
Salinas.
Email : clicar

24º Encontro Cubalense da A.A.A.E.C



Abertura da Recepção·                          11 horas
Cocktail de Boas Vindas                      16 horas
Exposição de Artes Plásticas             17 horas
Encerramento da Recepção·                         18 horas 30min
Jantar                                                  20 horas 30min
Baile                                                     das 22h às 6horas
Ceia                                                     00h 30min

6 de Outubro 2013

Pequeno-almoço Buffet                 7h às 10h 30min


EMENTA
Cocktail de Boas Vindas
Vinho do Porto, Martini
Sumos
Bolinhos Diversos
Salgadinhos
Jantar
Creme Holandês

Bacalhau à Marinheiro c/ Frutos do Mar em Cama de Puré

Lombo de Porco Recheado com Alheira
Buffet de sobremesas
Vinho tinto e branco, águas minerais e refrigerantes
Café
Ceia
Caldo verde, salgadinhos variados
Vinho tinto e branco, águas minerais e refrigerantes
Pão, mini croissants,
Cacau quente  




Nome:
Endereço de Correio Electrónico:
Contacto Telefónico:


6ª Feira 04 de Outubro de 2013

                                   Preço       Nº                                     Observações
Quarto Duplo
55 €


Quarto Single
40 €





Sábado 05 de Outubro de 2013

                                    Preço       Nº                                     Observações                     
Quarto Duplo
55 €


Quarto Single
40 €


Cama Extra
18 €



Cocktail
Jantar


30 €



Ceia
Baile


10€


·         As inscrições deverão ser feitas para o endereço electrónico
      dinyquerido@gmail.com

·         O pagamento deverá ser feito, preferencialmente por transferência bancária para o NIB: 0007 0000 00171982941 23

·         As reservas e respectivos pagamentos, deverão ser efectuadas
      impreterivelmente  até dia 27 de Setembro  de 2013,não      podendo a organização garantir reserva após esta data.

Para quaisquer outros esclarecimentos é favor contactar a comissão organizadora através dos seguintes contactos:

Diny Querido

Tlm 934052637 / Tlm 969596772

«««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Solicita-me a Organização da A.A.A.E.C., a divulgação do próximo encontro cubalense.
Aqui fica a informação e os contactos.

Ruca

26º Convívio dos cubalenses - 07 de Julho 2013 - Parque do Luso

A pedido da Organização do Convívio dos cubalenses, aqui se publica a Circular sobre o próximo encontro:



Cubalenses, 


Mais uma vez se vai realizar o nosso convívio no Parque do Luso como habitualmente é no 1º Domingo de Julho.

                                Contamos  com  a  tua  presença
                                         Trás  mais  um  amigo
                                     Divulga  o  nosso  convívio


Sentimos que alguns Cubalenses que estão presentes aos nossos convívios pensam que deve haver alguém que suporta todas as despesas e por isso não acham necessário contribuir com qualquer importância para ajudar. Puro engano ! necessitamos da ajuda de todos porque só assim é possível continuarmos a realizar o  “ Convívio dos Cubalenses “.

A animação musical estará a cargo dos nossos amigos Hernâni e Zéza Cabral.

Chamamos à vossa atenção ao acesso ao parque: 
Dado às obras que estão a decorrer no parque, devem entrar na rua pela parte de baixo, rua essa que serve o pavilhão de desportos à direita e o engarrafamento das águas à esquerda. Este ano estamos um pouco condicionados ao espaço, mas segundo informa a Junta de Freguesia a área disponível será suficiente.

Tragam o vosso farnel. Se não desejarem levar farnel queiram fazer a reserva para o :
Restaurante LOURENÇO – Av. Emídio Navarro - Telefone 231 939 474 – Sr. Lourenço, pois o restaurante do Lago encontra-se encerrado para obras.

Importante :  O restaurante agradece a reserva dos almoços com 2 dias de antecedência.

Coordenadas/Local do encontro: ver aqui http://goo.gl/maps/7QAaB 

Nota:
A fim de reduzir despesas com correspondência agradecemos aos Cubalenses que possuam correio electrónico o favor de informarem para o email abaixo indicado, ou pessoalmente no dia do encontro.


                                                            Um grande abraço de amizade
                                                                 Os organizadores                                                                                         
                                                                                                                                                                                                 
       António  Maia : 231 949 717 / 964 960 834
     Amilcar Vinhais : 223 752 788 / 960 429 396
Varandas Monteiro : 224 836 437 / 966 854 487  
       Email varandas.isabel43@gmail.com

Dia Mundial do Sorriso - 28 abril 2013

Dia Mundial do Sorriso - 28 abril 2013
Aos meus Amigos e apesar dos tempos que correrm tirarem-nos alguns motivos para o fazer, nunca deixem de sorrir. Não percamos esta fantástica forma de comunicar.
Para todos vós aí vai :Djavan -
RG

Sorri
Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios
Sorri
Quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador
Sorri
Quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doridos
Sorri
Vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz
http://youtu.be/7U4QKcGOmks

Notícia triste - falecimento do cubalense Januário Seixas

Nelson Seixas
Ruca,
faleceu a 24/03 o meu pai Januário Augusto Seixas,irmão do falecido Alfredo Seixas,camionistas do Cubal.


***
O Nelson, participa aos cubalenses o falecimento do seu querido pai.

à família enlutada, os sentidos pêsames.
Ruca (família Gonçalves)

Notícia triste - falecimento do cubalense José Fontoura

A pedido do Meno Fontoura, com quem telefonicamente falei há pouco, aqui fica a notícia que nunca gostaria de dar.

O seu pai e nosso amigo cubalense José Fontoura faleceu ontem dia 22 pelas 18h40. O funeral será na quinta feira dia 28 de fevereiro no cemitério de Saint George em Genéve.

À familia Fontoura os sentidos pêsames da família Gonçalves.